DESDÉM

 

 

 

 

 

guiado por uma insensata compaixão, lanço luzes sobre uma barata numa noite de chuva e vento, ela pousa no meu ombro, carente do amor humano,“porque eu e não a borboleta?” ouço sua queixa tão justa quanto o estreito de gibraltar, deixe estar, deixe estar

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: